domingo, 28 de julho de 2013

Quando chegar a primavera

(Eu, tentando dialogar com Germaine Calderón... e até saiu em português!)



Quando chegar a primavera
não irei me surpreender
com o sol repentino
ou  tua mão fria
posando na minha nuca.
Nas estradas que um dia
amanheceram brancas
haverá apenas a esperança
    sutil
de um calor que dure mais um pouco
de cores pequenas que despontem
do jasmim ou dos juncos que crescerão
na terra molhada,
e eu terei mudado em alguma coisa
desde o lugar onde hibernei
com meus ursos mansos
no oco de uma árvore esculpida
pelas décadas, saboreando apenas
amoras doces e cenas da  vida,
e se por acaso houver alguma
    aprendizagem,
será apenas das mais simples, com
as patas no barro escuro e fresco,
sabendo das chuvas e dos caminhos
enganosamente infinitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário