sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Um poema de Sabrina Bandeira Lopes

Fico feliz de poder postar, como primeira contribuição d@s amig@s para este blog, um texto da poeta curitibana Sabrina Lopes.


Uma coisa para dar

para uma certa menina:
o banheiro do cinema.

Com uma placa na porta:
mulher grande em roupas de guri
que deixa existirem seus quadris.

Todos os dias, precisamente,
às onze e onze, portas trancadas,
se formaria um círculo
de moças delicadas
que mijariam
se ela deitasse,
vinda do barro
como a cerâmica ,
se quisesse.

Um batalhão , garotas de uniforme,
arrumaria o papel
na posição "correta"
ou eu faria, pra deixá-la certa
de que é amada sempre .
Várias minuciosas vezes.

Um lugar seu
no banheiro público
tão bem aceito
quanto as boas filhas,
mas ainda conquistado
pelo seu tempo de luta:
o dia banal, na rua, à luz,
comigo


Nenhum comentário:

Postar um comentário